sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Caminhando

Hoje de manhã bati o olho em um link que dizia: "Teste de Stress: veja em qual nível você está". Não posso dizer que fiquei surpresa pelo resultado ser: "PERIGO!!! Seu nível de stress está tão alto que você não consegue tomar suas decisões racionalmente, e com consciência". Ou alguma coisa do tipo (esqueci de copiar e salvar).

E é verdade. Eu tô escrevendo isso tudo borbulhando por dentro. Aquela sensação de raiva contida, de queimação interna (não só pela azia - estômago sensível é fogo), os dedos até tremendo. Eu preciso urgentemente consultar um cardiologista, por que se eu tiver coração fraco, adeus existência em pouco tempo.

Ontem a noite, aproveitando que eu estava sozinha a noite (não por opção =P), fui dar uma volta na rua, ver se tinha alguma coisa que eu tava com vontade de comer pra aliviar a tensão (é, eu tava sem o menor saco pra fazer comida). Nada do que eu queria ainda tava aberto (já eram mais de 20:00), então ferrei meu estômago comendo batata frita. Tinha acabado de chover, os bancos da praça estavam ensopados, mas pela primeira vez eu nem dei bola pra isso e sentei mesmo assim. A bunda gelou da água acumulada, mas não foi o suficiente e eu reclineu e me esparramei no banco mesmo, sem pensar em nada. Assim que eu chegasse em casa a roupa ia pra lavar mesmo. Quando eu olho pra cima, o raio da estátua de São José me encarando. Os sinos da igreja deram uma leve badalada, avisando as 20:30. Eu não conseguia pensar em nada. Geralmente quando eu sento em um lugar assim, eu penso e reflito um pouco sobre as coisas. Mas naõ consegui. Minha cabeça tava tão cheia de coisas, em parte também pelo filme q eu tinha acabado de ver em casa - histórias de pessoas com câncer não são exatamente o que se deve ver se a intenção é dar risadas.

Diante desse cenário típico de filmes do Woody Allen (sem ser em New York, claro), comecei a pensar se o que eu preciso é de uma mudança drástica. Eu admiro aquelas pessoas que tem uma fé daquelas absurdas de concretas e um otimisto que dá nos nervos. A coragem e vontade de mudar as coisas. De tentar do zero, de arriscar o certo.

As vezes tenho a sensação de que vou explodir por dentro. É uma angústia que eu nem sei explicar. Eu já senti saudades de alguma coisa que não conheço. Ou talvez de alguma coisa que não me lembro.

20:50 eu tive um estalo. "Vai pra casa", a vozinha disse. Como eu não sou besta de desobedecer esses comandos internos, me levantei, e andei bem devagar até o prédio. Só ouvindo música foi que eu consegui respirar fundo e deixar a água correr pela cabeça.

A realidade? As coisas estão meio confusas.

3 comentários:

arianxy disse...

Por que as melhores pessoas estão distantes da gente sempre?? eis a pergunta que não quer calar..

Como me deu vontade de estar na pracinha com vc. Peraí, meu otimismo te irrita??..rsss Ai de vc...hauahauh..

Nós estamos sempre cercados de tantos e quando não temos sentimos um vaziam que qqer batata frita dói na nossa barriga...

Sangue de Meu Sangue!...Conta comigo, desestressa...Meu pequeno pedaço de mim..I WANNA HUG U, BABY I WANNA ABRAZARTE!....BESOS CARIÑO!

SMACK!!

el, Rafa disse...

Hey! Don't worry baby!

Pra se alegrar um pouco: http://www.brainstorm9.com.br/2009/02/08/mighty-putty/

Bjo!

Renata disse...

Oiiiiiiiiiii

Não com tanto entusiasmo de escrever o que eu sinto aqui, bem no fundo do meu peito, sei como está se sentindo. Tem dia que é asim mesmo. Vc se pergunta porque saiu da cama. rs


bjs